Pesquisa Avançada
Voltar

PF5186, Moradia, T4+3, SINTRA

S.MARIA E S.MIGUEL, S.MARTINHO, S.PEDRO PENAFERRIM, LISBOA, Portugal
Centro da Vila

Referência: PF5186
Finalidade: Venda

Sob Consulta

PEDIDO DE INFORMAÇÕES

  • Estado: Remodelado
  • Quartos: 4
  • Certificação Energética: D
  • Área Bruta Privativa: 1,320,00
  • Área Terreno: 2,000,00
  • Ano de Construção: 1820
  • WC: 6
  • Estacionamento:
  • Piscina:

A partir de 1820, João Carlos Francisco de Saldanha, neto materno do Marquês de Pombal, passou a estanciar em Sintra, quer porque a Corte, que frequentava assiduamente, o fazia permanecia largas temporadas, quer porque se sentiu atraído pela beleza da região.
Assim, em 1830, mandou construir, a caminho do Arrabalde, numa quinta implantada sobre altaneiro socalco da serra e à sombra do Castelo, envolta em densa e rica vegetação, uma casa de campo e capela, na qual passou parte da sua atribulada vida.
A partir de 1834, o Duque de Saldanha realizou diversos melhoramentos na sua casa de Sintra, os quais, segundo parece, estavam já concluídos ou muito avançados no ano seguinte.
Também mandou edificar, num extremo da propriedade, junto à estrada, um curioso edifício semi-circular que ofereceu a sua mãe (hoje constitui um imóvel distinto que é conhecido por «Casa Italiana» (tipologia T6).
A estrutura do edifício da Quinta do Saldanha desenvolve-se em L.
A fachada austera integra-se, de certa forma, no contexto da arquitectura áulica tradicional da região, sobretudo no que respeita ao enfiamento das janelas e à disposição dos telhados. Porém, aqui manifestam-se já alguns sinais do neo-gótico, tão caro aos românticos.
Precede a branca fachada, onde se espalham janelas góticas pontiagudas, um pórtico moldado ao jeito medieval, encimado por uma varanda de parapeito condizente. O interior do edifício reflecte a dualidade entre a idade medieval e o «moderno».
Assim, ali se destaca o cuidado arranjo dos espaços, cuja temática é de nítida inspiração medieval, ou ainda clássica, mas onde se evidenciam características ambientais românticas.
A capela integra-se no corpo nascente do edifício e detém idêntica sobriedade, salientando-se apenas a existência, na fachada principal, de um magnífico pórtico manuelino original, o qual provém do Convento da Penha Longa.
No início do seculo XX a Casa italiana volta a ser habitada pela Familia Saldanha que doa a Casa mais elevada, bem como parte da Quinta ao Patriarcado de Lisboa e vende a Casa Italiana a uma família Inglesa, que a habita durante alguns anos.
Em 1987 esta propriedade é vendida e durante dois anos são feitas obras de restauro, tanto no exterior como no interior nomeadamente o restauro dos frescos.
Será a partir daqui que terá oportunidade de fazer parte desta história e sentir a vivência desta luxuosa casa, e ainda poder partilhá-la usando a segunda casa como turismo de habitação.

Divisões
  • Salas: 0
  • Suites: 0
  • Quartos: 0
  • Casas de Banho: 6
  • Cozinhas: 0
  • Escritórios: 0


Zona Envolvente
  • Centro da Cidade
  • Espaços Verdes
  • Vista para Jardim



Equipamentos / Infraestrutura
  • Garagem
  • Estacionamento Ar-Livre
  • Lareira
  • Alarme
  • Estacionamento Coberto
  • Terraço
  • Ar Condicionado
  • Jardim

Localização